Arquivo da tag: brasl

Em meio a um Roger Waters, o Game World

Um espetáculo que demonstra a criatividade artística humana elevada a máxima potência

Semana passada viajei para Sampa com a esposa para assistirmos o apoteótico e mitológico espetáculo The Wall, do Roger Waters, e de quebra encontrar com alguns amigos que se fazem de difíceis (mais específico o Lord, ou Player 2). Mas uma coisa eu não esperava, e estava tão aéreo por conta do trampo nas semanas anteriores que nem sabia que ia rolar o Game World.

As surpresas não acabariam apenas em descobrir que o evento estava acontecendo exatamente no mesmo fim de semana que eu estaria em São Paulo. Os convidados do evento nesse ano foram Yoshitaka Amano, o artista conceitual da série Final Fantasy, já citado outras vezes aqui, e Reuben Langdon,  a voz do Ken Masters de Street Fighter, e do Dante, de Devil May Cry. Ver uma exposição do Amano era mais que imperdível.

A exposição do Amano foi uma das atrações imperdíveis do evento

A surpresa ruim ficou por conta do preço da entrada. Antes de mais nada, deixa eu citar algumas coisas que tinham no evento fora essas 2 estrelas do mercado. A exposição contou com estandes da Saraiva, Sony, Microsoft, Nintendo, e mais algumas outras, o que é bem comum em uma exposição de games.  Além disso teve concurso de Cosplay, Just Dance, PES 2012 e outras coisas, também muito normais, e o principal, palestras, que dependendo de quem for reger, pode ser bem meh ou muito boa.

Kilos e mais kilos de pessoas normais e cosplayers doidos, repare no coitado do garoto de refem do Darth Vader à esquerda

Dito isso, eu te digo o preço, 40 antecipado e 50 na hora POR DIA. Se pretendia ir todos os 3 dias, o preço ia de 75 antecipado a 150 na hora. Mas o mais legal? Isso não te dá acesso as palestras, para isso você precisaria desembolsar 100 reais antecipados ou uma bagatela de 200 pila na hora por acesso as palestras dos 3 dias. Um precinho bem camarada pra um evento que visa divulgar o mercado em um país que a situação ainda tá longe de ser de primeiro mundo hein? Nego coloca um estande lá pra por os produtos dele a venda e você ainda paga 50 conto pra ver o que ele tem pra vender.

O de vida eterna estava por lá para garantir preços altos por um passeio na exposição. Devia ter chamado os Thundercats

Do lado da defesa do evento, um amigo, que foi nos 3 dias, disse que as palestras valeram muito o preço pago. Eu não posso dizer que ele tá doidão primeiro porque não tive acesso às palestras, e segundo porque cada um sabe o quanto tem a gastar em algo que quer. No meu caso eu saí no lucro de ainda ter quarentinha pra pagar a entrada pois já estava comprometido pelo resto dos gastos da viagem, a Big Boss é que não gostou nadinha de pagar pra entrar em um evento que ela não faz questão de ver, mas foi pra me acompanhar né.

Não posso entrar na palestra? F$#@-se, tiro foto por entre uma fresta mesmo!

Mas voltando né, tinha estande de tudo que é empresa que tenta um lugar ao sol no mercado de games no país, tinha uma voltada para alguns jogos da Ubisoft, e lançamentos de outras empresas. Nessa parte eu pude testar o tão (mal) falado Ninja Gaiden 3. Só joguei em torno de 10 a 20 minutos, não é o suficiente pra esmiuçar  a jogabilidade e dizer o quanto os inimigos  ficaram idiotas, mas gostei do pouco que joguei. Peguei parte da primeira missão, então os inimigos que encarei eram do mesmo jeito, mas o chefe que saí na porrada precisava de um pouco mais de estratégia, mesmo sendo início do jogo. Apanhei dele pelo menos umas 2 ou 3 vezes até passar. O jogo ainda tem alguns poucos momentos “minigame”, como apertar alternadamente LT e RT (L2 e R2) para escalar a parede, enquanto se esquiva de inimigos que atiram do topo, aperte errado os botões e você cai, tendo que refazer a escalada.

O "minigame" de escalada em Ninja Gaiden 3

Impressionante como o evento priorizava os jogos de dança, em pelo menos 2 estandes diferentes eu vi aparelhos com Just Dance (incluindo Black Eyed Peas e Michael jackson Experience) com bastante gente dançando, fora o concurso, que juntou uma boa turma chacoalhando. A Sony colocou pra teste o Ps Vita, mas não me interessei em chegar perto porque tinha uma certa fila, e eu já testei o aparelho antes, como postado aqui. Eu queria ainda ter testado o Kinect Star Wars, mas não consegui.

Crono é o rei do gingado, imagino o X-Strike se o Frog tivesse dançando junto.

Fora do mundo dos games, a Copag estava com uma estande e área reservada a jogos de cartas. Relaxa o butico, não tô falando de truco, ou pôker. A Copag é a representante nacional do card game de Pokémon, então tinham mesas lá separadas pra galera jogar, além da própria estande vender cartas do jogo, e os demais card games da empresa, como o recém lançado Máfia.

A mulecada delirando pegando nas pokebolas alheiase e outros card games

Mas vamos as atrações principais né, a exposição do Amano é fodelar, digo isso como apreciador da arte, acima do fato de ser fã “do cara que faz ilustras para aquele jogo que eu curto”. Ver pessoalmente um Miró, Kandinsky ou Picasso é uma experiência fantástica, da mesma forma que é com o Amano. Pessoalmente você pode ver alguns apliques de purpurina e outros materiais brilhantes, textura que a obra ganha com determinada tinta, enfim, coisas que se perdem quando você vê apenas a imagem no poster do jogo ou na internet, simplesmente genial. A exposição tinha quadros desde o primeiro FF, passando por Vampire Hunter D e os mais recentes de Dissidia.

Ver esse quadro ao vivo foi muito bacana.

Com o Reuben a coisa foi mais divertida, o ator desafiava visitantes para uma peleja de Street Fighter IV, se o desafiante ganhasse, levava uma camisa escrita “Eu venci o Ken em Street Fighter”. A muvuca que ficava em volta dos duelos demonstra como a galera curtiu o desafio. E a gritaria tomava conta quando acertavam especiais, tive a chance de filmar um round incrível, repare no vídeo abaixo que a Sakura já tava pra perder e conseguiu virar o jogo, a galera delirou.

Repara na tensão e no (_._) travado de perder que o Reuben tá

No fringir dos ovos eu curti visitar o Game World, mas sendo bem sincero, com um preço alto assim pra testar produtos que posteriormente vou gastar comprando, eu não  volto mais. Mesmo com as 2 atrações principais que foram, achei que o valor não valeu o conteúdo que tive acesso. Ainda defendendo o quanto curti ver a exposição do Amano, sendo uma coisa rara, eu posso citar que já vi Rembrandt, Edward Munch, Andy Warhol, Keith Haring ou Pablo Picasso, todos de graça, e todos N vezes mais populares ou influentes na história da arte do que o Amano. Não reclamaria de pagar 10 ou 15 reais, mas 40 foi um abuso, e detalhe, só paguei 40 porque a garota do caixa resolveu me cobrar o preço de antecipada ao invés do valor do dia, de repente porque já era ultimo dia e de tarde.

Olha a cara de feliz desse aí recepcionado pelo Mario, mas nem ele me convence a voltar lá ano que vem se não baratearem a coisa.

Vejam mais fotos na nossa galeria do Flickr, e desculpem a qualidade das fotos, foram batidas com um iPhone.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 197 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: