Arquivo da tag: live

Notas sobre Tartarugas Ninja: Out of The Shadows Pt.1 – Pequeno review

oots marca

Semana passada finalmente chegou um dos games que eu aguardava há um tempo com certa ansiedade. Fanboy que sou dos Tartarugas Ninja, daqueles que leu todas as hq’s originais deles, sempre que anunciam algo novo dos personagens eu já fico curioso. Confesso que depois de anunciado que seria a Activision a detentora dos direitos, e ao ver os primeiríssimos vídeos que não mostravam PN do jogo, exceto golpes em zoom e cortes rápidos, e um dubstep chato que só uma p*%%@, eu esperava um jogo muito fraco, e provavelmente em esquema de arena, ou single player como o TMNT de 2007 da Ubisoft. Depois de alguns vídeos na E3, descobri que a coisa não era bem assim, o jogo reservava além de um modo história com fases exploráveis, para 2 pessoas local e 4 pessoas online, um modo arcade com visão lateral e tudo mais. Esse detalhe me fez começar a arrepiar os cabelin do fiofó de alegria.

Não é um jogo de arena, ufa

Não é um jogo de arena, ufa

Quando peguei o jogo semana passada, tudo o que eu pensava era “Deus permita que não tenham cagado com alguns de meus personagens favoritos da infância, porque se a coisa ferrar, dificilmente a Activision produzirá outro jogo deles”. De certa forma minhas esperanças não foram em vão, ou pelo menos não pra mim.

O game me apresentou um brawler com ótimas referências de Batman: Arkham City em um sistema  de passar de nível que libera mais ataques ou melhora o status dos tartarugas. Você sente a diferença ao jogar com cada um. Raphael usa golpes baseados no Muay Thai, Leonardo tem influência do Karatê, Donatello dá uma de Bruce Lee,com o Kung Fu e Michelangelo manja dos paranauê… literalmente, já que a base do personagem foi a capoeira. Além das diferenças entre os tartarugas, o sistema de combate com interação entre eles ficou bem legal também. Mas para você habilitar golpes novos que melhoram essa interação, é preciso passar níveis e ir escolhendo ode gastar os pontos de experiência.

Várias opções para gastar seus pontos de experiência

Várias opções para gastar seus pontos de experiência

Os cenários no jogo também são interativos em muitos pontos, você vai se dependurar em canos, girar em postes, andar pelas paredes pra chutar a cabeça dos féla que vierem tentar zuar contigo, deslizar por corrimão, escalar grades e muros e o baralho a 4.

Como comentei no início, o game tem o modo história, onde você desenvolve o enredo por trás da coisa toda. São 4 capítulos o modo história, mas se engana quem achar pouco, o game vai te levar pelo menos de 3 a 7 horas pra terminar, dependendo de quão bem você pega a jogabilidade ou demora a matar, e também dependendo se tá jogando sozinho ou em equipe. O cpu até comanda os outros 3 tartarugas pra você, mas além de ele ser fraco, nenhum cpu comanda outros personagens como outros jogadores, né. Terminando os capítulos do jogo, você vai liberando fases para o modo arcade, são 7 no total e não são necessariamente pequenas. O modo arcade é praticamente o mesmo do jogo, só que com câmera lateral, como os jogos clássicos. O ponto negativo aí é que o modo arcade só aceita multiplayer local, espero que corrijam isso com um patch de atualização. Ao concluir o jogo, você libera também o modo challenge e o Survival, que são a cereja do bolo se você quer desafio enfrentando hordas e mais hordas de maloqueiros, ninjas e robôs.

Uma das pérolas do jogo é o modo arcade, são 7 fases no total sendo liberadas a cada capítulo concluido

Uma das pérolas do jogo é o modo arcade, são 7 fases no total sendo liberadas a cada capítulo concluido

Infelizmente, ao menos pra mim, o maior problema do jogo são os bugs e glitches. Muitos e alguns em nível básico em que você simplesmente tem que voltar ao último checkpoint. Em uma partida comigo nem isso salvou, pois eu estava na quinta fase do modo arcade e o meu personagem simplesmente sumiu debaixo do teto de um prédio, o modo arcade não tem checkpoint, se você travou, vai ter que ir do início de novo. Isso foi extremamente irritante, mas a única vez que fiquei realmente puto com o jogo. Esse excesso de falhas deu uma sensação de um jogo que passou pouco tempo na mão dos testers. Se por falta de tempo, ou de equipe, ou de orçamento, ou até mesmo de qualidade dos profissionais do estúdio Red Fly, eu não sei, mas a impressão que eu tive é que a equipe pegou as referências certas, montou um esquema certo, tentou atingir o público certo, mas pecou em lançar um jogo em que faltou aparar muitas arestas. Pense em como seria Batman: Arkham City lançado meio ou 1 ano antes da data e você terá o que eu achei do TMNT: out of The Shadows.

A câmera também consegue ser bem irritante para alguns jogadores, se você jogou a nova série do Ninja Gaiden, sabe bem como é chegar as vezes próximo demais da parede e não conseguir enxergar nada além do seu personagem na tela. Se ficasse um pouco mais distante também ajudaria bastante. E ao jogar o modo história com cooperativo local aí que a coisa fede mesmo. Não sei por que p*%%@s os caras fizeram isso, mas o a divisão de tela jogando o modo história de 2 divide a tela verticalmente, como se não bastasse, ele ainda corta partes da tela, parecendo que você tá jogando com duas tv’s letterbox pequenas. Não sei qual a dificuldade em colocar opção de câmera mais distante, e escolher se quer divisão horizontal ou vertical, além de te deixar ver a p*##@ da tela toda.

Ninguém merece esse tanto de tela sobrando pra cima e pra baixo, além desse corte na vertical

Quem inventou esse negócio de cortar a tela na vertical merecia dormir com 4 salames socados no rêgo. E esse tanto de tela faltando pra cima e pra baixo também só termina de f%$&# com tudo.

De qualquer forma, um jogo mal aparado não é um jogo totalmente ruim, tem uma diferença entre pegar um jogo em que vocêidentifica as qualidades que faltaram terminar de lapidar (TMNT OoTS) e um jogo que é malfeito desde o princípio (Double Dragon 2: Wander of The Dragon). Então pra mim, mesmo com as falhas, tartarugas ninja ainda atinge um 7 sendo fanboy, e 6 deixando a fanboyce de lado.

Activision, lance logo o patch de atualização corrigindo algumas dessas falhas mais toscas e por favor, não vete uma continuação do pessoal da Red Fly, esse estilo de jogo se produzido com mais esmero fica ótimo para os personagens.

assinatura pnmp


Uma tirinha sobre o novo “Mega Man”

Vi essa em um fórum que participo e achei fantástica, resolvi fazer a tradução e trazer pra cá.

Way to go Inafune e Mighty No. 9!

Mighty No. 9 tirinha

Tá aqui o perfil do autor da tirinha original.

Já foi no Kickstarter dar o seu apoio? Não? Tá esperando o que, po$%@? Não sabe do que se trata? Olha o post anterior!

assinatura pnmp


Mestre Inafune está precisando de apoio no Kickstarter pra criação do sucessor espiritual de Mega Man

banner noticias

Inafune

Desde que saiu da Capcom, o mestre Keiji Inafune (só o mísero criador de Mega Man e produtor de jogos como Dead Rising e Onimusha entre outros clássicos), tem estado ocupado na produção intensa de novos jogos.  Já saiu dele, para o Vita, Soul Sacrifice, J.J. Rockets, para android, Bugs vs Tanks, jogo da e-shop para 3DS e ainda estão a caminho Yaiba: Ninja Gaiden Z e Kaio: King of Pirates, mas a onda da vez do mestre é o sucessor espiritual de Mega Man.

Mighty No. 9 é o nome do game e tenho que dizer, a belezinha está realmente com cara de Mega Man. Segundo a descrição, o jogo é um side scroll pegando os melhores elementos das gerações 8 e 16 bits. Na tradução livre descrita no kickstarter: você joga como Beck, o nono em uma linha de poderosos robôs, e o único não infectado por um misterioso vírus de computador que deixou as criaturas mecânicas do mundo loucas. Corra, pule, atire e transforme seu caminho por seis fases (ou mais, via objetivos alcançados) que você passa na ordem que quiser, usando armas e habilidades roubadas de seus inimigos para derrubar seus companheiros robôs Mighty Numbers e confronta o mal definitivo que ameaça o planeta!

Escolher fases na ordem que quiser, usar armas e habilidades roubadas dos seus inimigos… isso te lembra algum outro jogo? Sem dúvida será um Mega Man com as novidades que nós fãs gostaríamos que a Capcom é quem tivesse apresentando com o seu mascote oficial.

mighty n9

Olha essa foto e diz que não é o Mega Man com a beleza visual que você esperava na geração atual?

Way to go, mestre Inafune, eu já fiz a minha contribuição e espero que você também faça, porque o jogo está previsto inicialmente para a Steam, e será portado conforme alcance maior apoio no kickstarter, para os consoles. Caso você tenha apoiado e esses objetivos sejam alcançados, você terá a opção de escolher qual plataforma quer jogar. Pela velocidade que estão subindo os fundos de apoio, não vai demorar a atingir as metas pedidas não.

Cópia de si mesmo pode ser considerado plágio? Se é o Inafune e Mega Man, quem se importa?

Cópia de si mesmo pode ser considerado plágio? Se é o Inafune e Mega Man, quem se importa?

Vai lá no Kickstarter dar o seu apoio, o mestre Inafune, sem falar no mercado dos games, merece!

Atualizando: Em menos de 48 horas o projeto já ultrapassou a meta pretendida pra produção do jogo, vamos esperar e ver em quantos dias ele ultrapassa os 2 milhões e meio necessários para garantir a produção das versões para os consoles. O apoio tá tão grande que até outros estúdios estão entrando na onda, o estúdio Renegade Kid ofereceu apoio para levar Mighty No. 9 para o 3DS.

twitter mighty no 9

assinatura pnmp


Banzai!!! Clássico Karateka ganhará remake (F&%$ing News 02/10/2012)

 

Relaxa, o Daniel San não tem PN a ver com isso, exceto pelo fato de lutarem (?) karatê. A turminha da velha guarda  \o  tem grandes chances de lembrar desse clássico pra PC, Amiga, Nes, Gameboy, MSX, Bla bla bla.

O roteiro? Um maluco mestre do karatê sequestrou a tua gata e mantém ela refém em um templo no topo de um morro. Mais original que isso só os filmes do Michael Bay. O game era bem simples, e, apesar do foco não ser esse, tinha uma movimentação que lembrava de longe Prince of Persia. Não por isso, o jogo é de autoria de Jordan Mechner, criador também de PoP.

Com o direcional pra cima você entrava em modo relaxado, aí você podia correr pra enfrentar menos gente no caminho. Apareceu alguém, apertava pra baixo e ele entrava no modo de combate, com o botão B você socava, com A você chutava. Os direcionais ajudavam a bater em cima, embaixo, ou defender também. E essa era a lógica do game, bem simples e divertido pacas.

Como dá pra você reparar nas imagens, o visual ficou bem estiloso e renovado, isso é culpa de Jeff Matsuda, um dos ilustradores responsáveis por aquele desenho fantástico do Batman de 92.

As imagens que indicaram esse remake vazaram da Xbox Live, e provavelmente além dela a PSN e o sistema online do Wii-U também devem ganhar versão do jogo. Não vejo a hora de meter bicuda em neguinho folgado.

Lembra do original? Aqui:

fonte: Gamespot e Arkade


Harmonix anuncia Rock Band Blitz (que bosta hein?)

Com esse anúncio, cê tava esperando “mais um game da série com uma cacetada de músicas e os instrumentos periféricos típicos de sempre”, certo? Errou cara, dessa vez a Harmonix resolveu “inovar” e o jogo será um título lançado na SEN e Live Arcade, mas a jogabilidade será pelo seu joystick normal. Lembra de Rock Band Unplugged no PSP? Pois é, é aquilo ali que você vai jogar, só que com nome novo. Que seja pra manter o nome Rock Band vivo entre os gamers, mas porra, não tem mais graça alguma depois que você já jogou com os instrumentos.

Deviam fazer uma blitz pra multar essa coisa de sair

O game vai poder importar suas músicas dos outros títulos da série, assim como você também vai poder importar a (estonteante e gigantesca) lista de 25 músicas do RB Blitz para seu Rock Band 3.

Acho que levaram a sério demais o vídeo que satirizava Rock Band como carros em uma avenida

Só me resta torcer pra ter 25 boas músicas, porque vou considerar mais como DLC pro meu RB3 do que jogo novo de Rock Band mesmo.

Porr@ Rock Band Blitz, porr@ Harmonix, porr@ Rigopoulos.


Rapidinhas do período tenso

Pois bem, um apanhado geral do que andei jogando nessa última semana:

NBA Jam On Fire Edition

Os cabeções estão de volta e muito bem renovados, divertido pacas.

Tudo pra ser um dos melhores jogos estilo arcade lançados pra Live/PSN no ano passado. Divertido como o clássico, lembrei das boas tardes que tive jogando com os amigos da rua e do colégio. Só faltou mesmo juntar todo mundo pra uma peleja, dessa vez, sem a necessidade de um multi tap para jogar em quatro.

Dungeon Hunter 3

Transformado em um caça níqueis filha da mãe, Dungeon Hunter 3 não tem metade da diversão de seus predecessores

Tive acesso esses dias a um iPad e pude ver a diferença que é jogar com uma telona gigante daquela. Que coisa bacana. Já a série Dungeon Hunter em si, pra mim, perdeu muito. O 1 e o 2 tinham jogabilidade semelhante a Diablo e outros títulos do gênero, um tanto bacana, mas o terceiro resolveu dar uma de espertinho. Se por um lado ele é grátis (o 1 e o 2 custam 6 dólares, cada), por outro, o jogo praticamente te obriga a gastar dinheiro pra comprar equipamentos, armas e o escambal. Isso por si só já é ruim, mas o pior é que agora o jogo é um modo horda, no qual você está em um cenário fechado e pilhas e mais pilhas de inimigos vem ao seu encontro, fator exploração não existe mais. Achei isso uma bosta e muito chato.

Star Wars: The Old Republic

Dá frio só de olhar essas imagens gélidas de Hoth

Curti muito o cenário vasto e desolado de Hoth (aquele planeta gelado do início de “O Império Contra Ataca), até uma trilha “perdido no gelo” eles colocaram pra tocar por lá. Já até finalizei, entretanto eu tô ralando que nem um porco pra terminar a  segunda parte de Quesh. Um NPC de classe elite tá me dando mais trabalho por lá do que bosses anteriores, vou ter que ir a outro planeta ganhar mais nível porque o jogo na reta final tá foda!

Journey

A jornada continua firme e forte

Segunda rodada e continuo achando espetacular a experiência da jornada. Dessa vez descobri que depois de terminado, ele parece abrir uns warps. Fui todo inocente explorar melhor o mapa do primeiro cenário, entrei em uma estrutura com um brilho no chão, quando pisei no brilho, fui teleportado para a última fase, tomei um susto.

Tactics Ogre: Let Us Cling Together

Um tactics é bom na hora do almoço pra fazer a digestão

Meu jogo de cabeceira para o pouco tempo livre das horas de almoço no trabalho. Não ando com um espírito muito tactics nos últimos anos, mas por algum motivo nem consegui parar de jogar ele ainda. O jogo é um remake do original para Super Nintendo, com visual renovado e trilha sonora reformulada. A equipe do jogo produziu posteriormente o Final Fantasy Tactics na época, e se você jogou ele, vai perceber fácil que ambos tem várias semelhanças no sistema de batalha, é fácil de se aclimatar se você tiver jogado muito bem um, e não conhece o outro.

É isso aí gente, espero normalizar meu tempo nesses dias pra não deixar um hiato tão grande entre posts.

Abraço cambada de féla duma pixel


Clássicos Sega voltando?

1 Jet Set Radio relançado na live arcade/PSN

Deus é pai! A Sega soltou alguns teasers essa semana para divulgar que Jet Set Radio, de Dreamcast, será relançado na Live/PSN. Rapaz acho que esse é um dos jogos mais pedidos pelos seguistas, e não é a toa. Um dos jogos que eu mais curti jogar no Dreamcast. JSR é um jogo ambientado em um futuro próximo, onde gangues de jovens de patins turbinados tocam o terror nas cidades com disputas territoriais, regado a muito som e grafites em tudo que é parede da cidade de Tokyo-to. Você acompanha a formação e o crescimento da gangue GG, formada inicialmente por Beat, Gum e Tab.

A trilha sonora de Jet Set Radio sempre foi de destaque, tanto que na versão americana (entitulada Jet Grind Radio) teve a participação de artistas como Rob Zombie.

A Sega não divulgou nenhuma data ainda, só que será no verão norte americano (junho, julho…), mas pra mim é compra certa NA HORA! curte a trilha:

Fonte: Gamespot

2 Crimson Dragon, sucessor espiritual de Panzer Dragoon

Ok, esse jogo não é da Sega, e sim da Capcom, mas ele é o sucessor espiritual de Panzer Dragoon,e esse sim é da Sega. Apelidado antes de Project Draco, ele tem sido desenvolvido por Yukio Futatsugi, um dos criadores de Panzer Dragoon. Ambientado em um futurístico planeta onde humanos conseguem domar dragões, estes dominam os céus atacando outras criaturas aéreas. Você pode escolher entre 6 tipos de dragões diferentes com diversas habilidades. Sendo produzido para o Kinect, Crimson Dragon pode ainda ser jogado multiplayer.

Sendo para Kinect, imagino que deva ser algo parecido com Child of Eden, e bem que podiam colocar o Moebius para fazer a direção de arte do jogo também. Crimson Dragon ainda nao tem data para sair, só foi divulgado que será esse ano.

Fonte: IGN


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 197 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: