Arquivo da tag: 16 bits

Uma tirinha sobre o novo “Mega Man”

Vi essa em um fórum que participo e achei fantástica, resolvi fazer a tradução e trazer pra cá.

Way to go Inafune e Mighty No. 9!

Mighty No. 9 tirinha

Tá aqui o perfil do autor da tirinha original.

Já foi no Kickstarter dar o seu apoio? Não? Tá esperando o que, po$%@? Não sabe do que se trata? Olha o post anterior!

assinatura pnmp


Mestre Inafune está precisando de apoio no Kickstarter pra criação do sucessor espiritual de Mega Man

banner noticias

Inafune

Desde que saiu da Capcom, o mestre Keiji Inafune (só o mísero criador de Mega Man e produtor de jogos como Dead Rising e Onimusha entre outros clássicos), tem estado ocupado na produção intensa de novos jogos.  Já saiu dele, para o Vita, Soul Sacrifice, J.J. Rockets, para android, Bugs vs Tanks, jogo da e-shop para 3DS e ainda estão a caminho Yaiba: Ninja Gaiden Z e Kaio: King of Pirates, mas a onda da vez do mestre é o sucessor espiritual de Mega Man.

Mighty No. 9 é o nome do game e tenho que dizer, a belezinha está realmente com cara de Mega Man. Segundo a descrição, o jogo é um side scroll pegando os melhores elementos das gerações 8 e 16 bits. Na tradução livre descrita no kickstarter: você joga como Beck, o nono em uma linha de poderosos robôs, e o único não infectado por um misterioso vírus de computador que deixou as criaturas mecânicas do mundo loucas. Corra, pule, atire e transforme seu caminho por seis fases (ou mais, via objetivos alcançados) que você passa na ordem que quiser, usando armas e habilidades roubadas de seus inimigos para derrubar seus companheiros robôs Mighty Numbers e confronta o mal definitivo que ameaça o planeta!

Escolher fases na ordem que quiser, usar armas e habilidades roubadas dos seus inimigos… isso te lembra algum outro jogo? Sem dúvida será um Mega Man com as novidades que nós fãs gostaríamos que a Capcom é quem tivesse apresentando com o seu mascote oficial.

mighty n9

Olha essa foto e diz que não é o Mega Man com a beleza visual que você esperava na geração atual?

Way to go, mestre Inafune, eu já fiz a minha contribuição e espero que você também faça, porque o jogo está previsto inicialmente para a Steam, e será portado conforme alcance maior apoio no kickstarter, para os consoles. Caso você tenha apoiado e esses objetivos sejam alcançados, você terá a opção de escolher qual plataforma quer jogar. Pela velocidade que estão subindo os fundos de apoio, não vai demorar a atingir as metas pedidas não.

Cópia de si mesmo pode ser considerado plágio? Se é o Inafune e Mega Man, quem se importa?

Cópia de si mesmo pode ser considerado plágio? Se é o Inafune e Mega Man, quem se importa?

Vai lá no Kickstarter dar o seu apoio, o mestre Inafune, sem falar no mercado dos games, merece!

Atualizando: Em menos de 48 horas o projeto já ultrapassou a meta pretendida pra produção do jogo, vamos esperar e ver em quantos dias ele ultrapassa os 2 milhões e meio necessários para garantir a produção das versões para os consoles. O apoio tá tão grande que até outros estúdios estão entrando na onda, o estúdio Renegade Kid ofereceu apoio para levar Mighty No. 9 para o 3DS.

twitter mighty no 9

assinatura pnmp


Os velhos tempos: Streets of Rage

banner old times

Em 1991 o Mega Drive estava a todo vapor no início da guerra dos consoles da geração 16 bits. O gênero do momento na época era o beat em up. Alavancado por sucessos anteriores como Double Dragon (um dos precursores) e o consagradíssimo (e meu jogo do gênero favorito ever) Tartarugas Ninja no arcade, a coisa bombava pra tudo que era lado, todo mundo queria lançar o seu. A Sega mesmo já tinha um game do gênero mas na ambientação medieval fantasiosa (Golden Axe), sobrando então pra Streets of Rage com a ambientação de briga de rua (como alguns amigos chamavam o jogo ou o gênero na época).

A Sega tinha esmero com detalhes, repare o poste em primeiro plano

A Sega tinha esmero com detalhes, repare o poste em primeiro plano

Eu nunca tive um console Sega, então só me restava jogar nas casas dos amigos, ao menos até a era dos emuladores, e Streets of Rage é um dos jogos que guardo com todo o carinho na memória. Os que me conhecem sabem o quanto sou fanboy do gênero beat em up, me divirto fácil com jogos de qualidade duvidosa, salvo Double Dragon 2 (em 3d renovado, não o clássico) lançado há alguns meses na Live, que é a tristeza em forma de jogo.

A história do game não tem muito mistério, é o básico dos jogos de briga de rua: As gangues e a máfia dominam as grandes cidades, um grupo (no caso de SoR, de policiais) revoltados com isso decidem resolver a parada na base da bica e dos paranauê na fuça. Apesar da trama manjada, Streets of Rage trazia umas inovações bacanas no gênero, a começar por ter uma mulher como personagem jogável. Aí você pode até dizer “mas a Sega já fez isso antes em Golden Axe”, ok, fez isso mesmo e foi uma novidade, mas na área de temas urbanos completamente dominado por artistas marciais truculentos, prefeitos, e até tartarugas mutantes, ela foi uma das primeiras a explorar isso. Além de mulher, tenho a impressão que SoR também foi um dos primeiros a acrescentar um personagem negro no gênero. Na jogabilidade, SoR trouxe também um terceiro botão que utilizava o “ataque especial”, que consistia em chamar reforços da polícia pra mandar bala nos inimigos da tela.

Se você se deparar com uma versão escrita "Bare Knuckle" não se assuste, é só o nome do jogo no Japão

Adam pronto pra sentar bica

Nos comandos o game tinha seu pequeno diferencial também, enquanto em Double Dragon, você sentava joelhadas na cara dos inimigos quando estes estavam atordoados, em Streets of Rage era possível dar uns sopapos, pular pra de trás do inimigo e sentar um golpe de judô dando uma ponte no inimigo e estourando a cara dele no chão.

Se você se deparar com essa capa, não estranhe, Bare Knuckle é o nome da versão japonesa

Se você se deparar com essa capa, não estranhe, Bare Knuckle é o nome da versão japonesa

O jogo era foda, mas ao menos pra mim, a cereja do bolo era a conceituada trilha sonora. Yuzo Koshiro se inspirou em um monte de coisas que era pop na época, tal qual Sadeness, da(o) Enigma, ou Pump Up the Jam, do Technotronic, e foi uma das melhores ideias que ele teve. A trilha é marcante e volta e meia me pego lembrando dela, como não o faço com várias de outros jogos que curto até mais.

Se você cometeu a blasfêmia de nunca ter jogado esse clássico, se mata… mentira, vai só atrás do jogo, tem sempre promoções de Sega Classics pra tudo que é console, inclusive pra Steam, com a trilogia SoR. Mas pra ter uma experiência realmente foda e nova com o game, faça o favor de ir atrás do Streets of Rage Remake. “O que é isso” você pergunta? É só um projeto de fãs que durou em torno de 8 anos e que reuniu tudo dos 3 jogos e mais algumas coisas extras fazendo um jogo completamente novo com isso. Você tem opções de caminho a trilhar no início e em algumas fases, conforme vai zerando ganha pontos para liberar mais personagens ou modos de jogo, e por aí vai. A Sega demorou em não ter apadrinhado os caras e lançado isso oficialmente, mas infelizmente foi o contrário, eles resolveram ameaçar com processo os caras do projeto se não retirassem o jogo de circulação. Dando uma googleada não deve ser difícil achar, mas de qualquer forma, jogue os originais da Sega.

assinatura pnmp


%d blogueiros gostam disto: