Arquivo da tag: atari

40 anos de Atari (a empresa)

Hoje a Atari chegou à idade da loba. Em 27 de Junho de 1972 Nolan Bushnell e Ted Dabney fundaram a empresa, que a princípio produzia máquinas arcade de Pong,e posteriormente foram lançando mais máquinas. Foi só depois de a Warner comprar a empresa em 76 que começaram a planejar o console de mesa que crianças e adolescentes (eu e o P2 inclusos) das décadas de 70 e 80 viriam a pagar pau. O Atari 2600, lançado em 77 foi o grande fenômeno da época dele. Dos mais novinhos aos vovôs, não tinha quem não curtia jogar no console. Games como Enduro, Pitfall, H.E.R.O., Keystone Kapers, Adventure ou Bob volta pra casa eram sucessos absolutos no console,e as máquinas de arcade não faziam pior também. Ao contrário, Space Invaders ou Missile Command eram c@r@lh@sticos.

Infelizmente os consoles seguintes não tiveram o mesmo sucesso de seu predecessor. Os Ataris 5200 e 7800, além do Jaguar, foram verdadeiros fracassos de vendas e de títulos, o mercado já havia sido totalmente tomado pelos consoles japoneses da Sega e Nintendo. Hoje a empresa vive de lançar títulos para os consoles existentes, muito embora volta e meia surge um boato da Atari estar planejando console novo.

Um pequeno infográfico resume a história da empresa até hoje:

Confira também esse pequeno comercial americano do console, até o Pelé participa

Feliz aniversário Atari, mas faz tempo que cê anda mal das pernas.

Anúncios

A versão mais X-crot@ de Double Dragon

Lá vem velharia, e dessa vez, pra mim, foi uma velharia nova. Já joguei tudo que é edição de Double Dragon, arcade, nes, master system, mega drive, game boy, game boy advance, iphone, xbox, é só dizer. Com exceção da versão do Zeebo, que nunca nem cheguei perto, e parece ser o mais bacana dos (poucos) jogos lançados pro aparelho, joguei de tudo um pouco.

Ontem tive a chance de finalmente pôr as mãos em uma versão que eu só fui ouvir falar que existia agora na geração internet e youtube, que é a do Atari 2600 (o Atari teve várias versões, a que popularizou no Brasil foi o 2600). Cara que coisa mais bizarra, não é só pelo aparelho em si que não possibilita muito, mas já começa pela caixa do jogo. Curte isso:

A capa não é ruim, a arte segue o estilo visual que quadrinhistas usavam na época, mas pra hoje, é completamente datada, com esse billy e jimmy com cara de trintões, e os maluco atrás se aproveitando da Marion.

Velho, o que é essa capa? Sim, ela segue o estilo visual popular dos quadrinhos da década de 80, mas entre ela, e a usada no Nintendo e outras versões, é N vezes, sou mais a segunda opção fácil.

Não é fantástica, mas é menos datada e mais estilosa

Mas tudo bem, o valor retrô da capa do Atari tem seu charme, dá um poster bem bacana até. Agora vire ao contrário, e veja a mensagem de contracapa.

Parece até uma hq da Marvel nos 80

“Os Black Warriors sequestraram a sua melhor garota…” Oh Wait, é isso mesmo que eu li? Sim, você é um cafetão, ou pelo menos tem várias mulheres em Double Dragon, e porr@ quem são os Black Warriors pra te levar a tua melhor gata assim? Se liguem seus otários, ninguem leva minhas put@s embora e fica de boa não, como farei com apenas 3 agora?

Deixando de lado a pequena história com a capa, vem a parte principal, o jogo. Eita lindeza visual, na boa, deve ser o jogo com cenário mais “complexo” do Atari, e nem tô sendo sarcástico, você tem o piso, os personagens, e o fundo com alguns poucos elementos, é mais que um Pitfall da vida, hehe. Teoricamente, o jogo deveria ser de ação andando lateralmente, mas imagino que por questões de potencial do console, isso não acontece, você aparece em um cenário, os inimigos vem, você mata, a tela some e te joga pra uma tela seguinte com mais inimigos e por aí vai.

O quadrado verde aí é você viu, ele muda de cor conforme muda a tela

Em questão de jogabilidade, essa foi minha primeira curiosidade ao ligar o jogo, o Atari só tem um botão, e Double Dragon se fazia de N tipos de combinações diferentes com os 2 botões nas demais versões, pra gerar os diferentes tipos de golpe que o jogo tem. Apertando o botão, você soca, o botão mais seta pra baixo você chuta, pra cima dá uma voadora, na diagonal, uma cotovelada, e é isso apenas de ataques. Não pense que por isso tua vida vai ser fácil não, eu não consegui passar da segunda tela (leia bem, eu disse tela, não fase, o jogo muda de telas pra avançar) e tomei Game Over, e não existe continue, isso é artigo de luxo de quem joga videogame da geração Nintendo em diante.

Chegue perto pra ver se não te enfio uma bica na fuça. Na verdade enfio não, é foda!

Por conta disso, 20 minutos foi o máximo de tempo que consegui dedicar ao jogo até decidir matar a saudade de Enduro. O jogo é difícil, os golpes não encaixam bem, mas com certeza eu teria adorado jogar isso quando criança na época. E não pense que foi pouco, não dava  5 minutos de jogatina morrer na segunda tela, hehe. Shame on me

PS: No Gamefaqs hoje eu fui dar uma olhada pra saber se alguém um dia conseguiu ir muito mais longe do que eu, e descobri que tem uma manha ficando no canto esquerdo da tela que os inimigos não te atacam. Nem testei ainda, mas assim é fácil terminar o jogo, e sem graça também.


Presença 11

É isso aí, se você se sente assim as vezes, bem vindo ao clube, e pare para relaxar no pit stop de vez em quando, porque ninguém é de ferro.


%d blogueiros gostam disto: