Arquivo da tag: multiplayer

Towerfall: O patinho feio dos lançamentos da semana

towerfall-ascension

Em semana de lançamentos como Titanfall e Dark Souls é difícil ter algum outro jogo que te gere interesse certo? Errado!

Fui conhecer por intermédio de um brother do trampo um joguinho que foi muito popular no Ouya, e que agora tava chegando pra Steam e PS4. Pelos comentários dele e algumas imagens, não dava nada. Até que vi um vídeo do joguinho em ação. A partir daí começou a ficar interessante, mas foi quando efetivamente testei hoje com ele e mais outro brother no intervalo do almoço é que consegui ver o ouro desse jogo. Veja porque Towerfall: Ascension é massa.

Pense numa proposta tipo Bomberman: 4 caras em um cenário, cada um por si, são todos arqueiros, e sua premissa é “o último de pé”. Junte a isso tudo, um estilo visual pixelado e buracos que te teleportam pra parte de cima do cenário, ao maior estilo Pac-Man, além de baús que te dão power ups como ficar invisível ou lançar flechas bombas, e tá feito o caos.

Caos é o que te aguarda nesse jogo, e não tem como não curtir

Caos é o que te aguarda nesse jogo, e não tem como não curtir

Você tem 2 modos de jogo, um modo quest, onde enfrenta hordas de inimigos ao longo dos cenários, e que pode ser jogado até 2 pessoas. E o ouro da parada, o modo versus. Até 4 jogadores se matando pra ver quem ganha. Basta apenas uma flechada (ou pisão, ao maior estilo Mario), para matar seu oponente, então se tu não toma cuidado nos avanços, roda. Se algum malaco te atira uma flecha, você pode atirar a sua também e ricochetear a que ia levar. As 2 ficam no chão, e passando em cima delas você repoe seu estoque (cada jogador começa com 3). Apesar do que eu disse, ficar vivo não é a única forma de ganhar no jogo, como ele só computa pontos das mortes, pode ser que seus oponentes tenham se matado, então os pontos vão pra quem matou quem, e se um morreu por alguma armadilha do cenário, ele na verdade perde um ponto, enquanto você que ficou parado assistindo a tudo não ganha PN, com isso é possível que você não morra em nenhuma rodada, mas não ganhe a partida no final. Isso torna o jogo mais desafiador, mas nem que uma po%%@ que eu vou querer apenas ver o circo pegar fogo, e provavelmente você também não.

No modo Quest, você vai avançando para novas dungeons ao redor do mapa do jogo

No modo Quest, você vai avançando para novas dungeons ao redor do mapa do jogo

Tudoquer comer o seu boga no cenário, tem hora que você morre e só vê porque no replay (sim, o game tem replay da última morte da rodada) passou como foi. Em uma partida, um amigo tava com um escudo de força, minha flecha pegou ele em cheio e  quebrou o escudo, como ela foi ricocheteada, e na hora, ele estava no meio de um pulo, acabou que ele  caiu, e minha flecha que estava no ar, foi bem em cima dele. Nunca ri tanto com um ponto em um jogo como nessa hora e… ah deixa eu mostrar essa po%%@ logo, graças ao replay gravado em gif animado.

Melhor ponto que já ganhei em uma partida vs

Melhor ponto que já ganhei em uma partida vs

Esse tipo de coisa é mil vezes melhor que o gol mais cagado que você já fez em um brother em Fifa ou PES, diz aí. Repare que além da minha flecha, caso ele tivesse conseguido escapar, a bomba que ele pegou, e minha flecha acertou, teria explodido ele. Em outras palavas, rodou de qualquer jeito, filhão. Detalhe, a partida só terminou ali porque eu precisava apenas de mais um ponto pra ganhar. Além de bombas, o jogo possui um arsenal de outros equips como espelho, que o torna meio transparente, dificultando ser enxergado no meio da correria pelos outros players, o citado escudo de força, flechas de raios, entre outras coisas. Mas nem sempre você vai conseguir usar, por serem tão rápidas as partidas.

O jogo é tão imerso no estilo retrô no qual foi concebido, que ele não tem DLC’s. Quer liberar outros personagens? Só jogando, como os bons e velhos jogos pré ps3/x360 o faziam. Infelizmente, o mesmo fator retrô que agrada com os bônus do jogo, desagradam com o ônus: o game só pode ser jogado via multiplayer local. Tenho certeza que a diversão maior é estando ao lado dos amigos e zuando na cara deles, mas em tempos de dificuldade em arrumar com quem jogar junto, o modo online é um tanto libertador. Espero demais que futuramente eles planejem um patch para inserir um modo multiplayer online, pois esse pequeno fator é o que me impediu de comprar o jogo, afinal, as maiores chances que vou ter de jogar serão com os brothers do trampo, e pra isso um deles já comprou.

4 personagens são liberados de início, outros 4 são liberáveis fazendo  objetivos específicos

4 personagens são liberados de início, outros 4 são liberáveis fazendo objetivos específicos

Mas ao menos o game não é caro. Preço normal de 25 reaus na Steam, mas está com desconto de 15% de lançamento. Além do Steam, e do Ouya, plataforma original, o game também saiu pra PS4. Eu digo que vale demais se você tiver amigos, pais, esposa, marido, irmãos, primos, enfim, alguém com quem jogar, se não tiver, sua diversão provavelmente diminui um pouco. Vamos esperar que desenvolvam um modo multiplayer pro game.

assinatura pnmp


Notas sobre Tartarugas Ninja: Out of The Shadows Pt.1 – Pequeno review

oots marca

Semana passada finalmente chegou um dos games que eu aguardava há um tempo com certa ansiedade. Fanboy que sou dos Tartarugas Ninja, daqueles que leu todas as hq’s originais deles, sempre que anunciam algo novo dos personagens eu já fico curioso. Confesso que depois de anunciado que seria a Activision a detentora dos direitos, e ao ver os primeiríssimos vídeos que não mostravam PN do jogo, exceto golpes em zoom e cortes rápidos, e um dubstep chato que só uma p*%%@, eu esperava um jogo muito fraco, e provavelmente em esquema de arena, ou single player como o TMNT de 2007 da Ubisoft. Depois de alguns vídeos na E3, descobri que a coisa não era bem assim, o jogo reservava além de um modo história com fases exploráveis, para 2 pessoas local e 4 pessoas online, um modo arcade com visão lateral e tudo mais. Esse detalhe me fez começar a arrepiar os cabelin do fiofó de alegria.

Não é um jogo de arena, ufa

Não é um jogo de arena, ufa

Quando peguei o jogo semana passada, tudo o que eu pensava era “Deus permita que não tenham cagado com alguns de meus personagens favoritos da infância, porque se a coisa ferrar, dificilmente a Activision produzirá outro jogo deles”. De certa forma minhas esperanças não foram em vão, ou pelo menos não pra mim.

O game me apresentou um brawler com ótimas referências de Batman: Arkham City em um sistema  de passar de nível que libera mais ataques ou melhora o status dos tartarugas. Você sente a diferença ao jogar com cada um. Raphael usa golpes baseados no Muay Thai, Leonardo tem influência do Karatê, Donatello dá uma de Bruce Lee,com o Kung Fu e Michelangelo manja dos paranauê… literalmente, já que a base do personagem foi a capoeira. Além das diferenças entre os tartarugas, o sistema de combate com interação entre eles ficou bem legal também. Mas para você habilitar golpes novos que melhoram essa interação, é preciso passar níveis e ir escolhendo ode gastar os pontos de experiência.

Várias opções para gastar seus pontos de experiência

Várias opções para gastar seus pontos de experiência

Os cenários no jogo também são interativos em muitos pontos, você vai se dependurar em canos, girar em postes, andar pelas paredes pra chutar a cabeça dos féla que vierem tentar zuar contigo, deslizar por corrimão, escalar grades e muros e o baralho a 4.

Como comentei no início, o game tem o modo história, onde você desenvolve o enredo por trás da coisa toda. São 4 capítulos o modo história, mas se engana quem achar pouco, o game vai te levar pelo menos de 3 a 7 horas pra terminar, dependendo de quão bem você pega a jogabilidade ou demora a matar, e também dependendo se tá jogando sozinho ou em equipe. O cpu até comanda os outros 3 tartarugas pra você, mas além de ele ser fraco, nenhum cpu comanda outros personagens como outros jogadores, né. Terminando os capítulos do jogo, você vai liberando fases para o modo arcade, são 7 no total e não são necessariamente pequenas. O modo arcade é praticamente o mesmo do jogo, só que com câmera lateral, como os jogos clássicos. O ponto negativo aí é que o modo arcade só aceita multiplayer local, espero que corrijam isso com um patch de atualização. Ao concluir o jogo, você libera também o modo challenge e o Survival, que são a cereja do bolo se você quer desafio enfrentando hordas e mais hordas de maloqueiros, ninjas e robôs.

Uma das pérolas do jogo é o modo arcade, são 7 fases no total sendo liberadas a cada capítulo concluido

Uma das pérolas do jogo é o modo arcade, são 7 fases no total sendo liberadas a cada capítulo concluido

Infelizmente, ao menos pra mim, o maior problema do jogo são os bugs e glitches. Muitos e alguns em nível básico em que você simplesmente tem que voltar ao último checkpoint. Em uma partida comigo nem isso salvou, pois eu estava na quinta fase do modo arcade e o meu personagem simplesmente sumiu debaixo do teto de um prédio, o modo arcade não tem checkpoint, se você travou, vai ter que ir do início de novo. Isso foi extremamente irritante, mas a única vez que fiquei realmente puto com o jogo. Esse excesso de falhas deu uma sensação de um jogo que passou pouco tempo na mão dos testers. Se por falta de tempo, ou de equipe, ou de orçamento, ou até mesmo de qualidade dos profissionais do estúdio Red Fly, eu não sei, mas a impressão que eu tive é que a equipe pegou as referências certas, montou um esquema certo, tentou atingir o público certo, mas pecou em lançar um jogo em que faltou aparar muitas arestas. Pense em como seria Batman: Arkham City lançado meio ou 1 ano antes da data e você terá o que eu achei do TMNT: out of The Shadows.

A câmera também consegue ser bem irritante para alguns jogadores, se você jogou a nova série do Ninja Gaiden, sabe bem como é chegar as vezes próximo demais da parede e não conseguir enxergar nada além do seu personagem na tela. Se ficasse um pouco mais distante também ajudaria bastante. E ao jogar o modo história com cooperativo local aí que a coisa fede mesmo. Não sei por que p*%%@s os caras fizeram isso, mas o a divisão de tela jogando o modo história de 2 divide a tela verticalmente, como se não bastasse, ele ainda corta partes da tela, parecendo que você tá jogando com duas tv’s letterbox pequenas. Não sei qual a dificuldade em colocar opção de câmera mais distante, e escolher se quer divisão horizontal ou vertical, além de te deixar ver a p*##@ da tela toda.

Ninguém merece esse tanto de tela sobrando pra cima e pra baixo, além desse corte na vertical

Quem inventou esse negócio de cortar a tela na vertical merecia dormir com 4 salames socados no rêgo. E esse tanto de tela faltando pra cima e pra baixo também só termina de f%$&# com tudo.

De qualquer forma, um jogo mal aparado não é um jogo totalmente ruim, tem uma diferença entre pegar um jogo em que vocêidentifica as qualidades que faltaram terminar de lapidar (TMNT OoTS) e um jogo que é malfeito desde o princípio (Double Dragon 2: Wander of The Dragon). Então pra mim, mesmo com as falhas, tartarugas ninja ainda atinge um 7 sendo fanboy, e 6 deixando a fanboyce de lado.

Activision, lance logo o patch de atualização corrigindo algumas dessas falhas mais toscas e por favor, não vete uma continuação do pessoal da Red Fly, esse estilo de jogo se produzido com mais esmero fica ótimo para os personagens.

assinatura pnmp


10 regras sociais sobre videogames que todos deveriam conhecer!

Sabe aquele negócio de desligar o videogame quando você tá jogando que teu irmão menor faz e que você odeia? Sabe aquele amigo que não sabe perder e desconecta sempre que você tá enfiando um 4 a 0 nele no FIFA? Então… eles provavelmente não conhecem as regras sociais que regem o mundo dos videogames! Essas regras não estão escritas em lugar nenhum, não foram escritas na pedra por nenhum Deus do Videogame, mas elas são essenciais para o convívio gamístico nos dias de hoje! Vamos a elas…

1 – Jamais desligue o videogame se alguém estiver jogando!

Isso é… uma put@#!@!

Pode parecer besteira mas isso enfurece até o mais calmo dos jogadores. Se ele está jogando, se esforçando para avançar no jogo, não ouse desligar o videogame por motivo nenhum antes do mesmo aceitar que o videogame seja desligado. Esse é um costume de mães e pais despreparados (ou putos com alguma coisa).

2 – O Player 2 não mexe no menu!

Por mais simples que isso seja, ainda tem gente que acha que qualquer um pode mexer no menu. E aí, o caos é instalado: entra-se em opções erradas e o que era para ser uma diversão começa sendo um problema logo de cara. É simples… quem tem o Controle 1 faz tudo! E ainda escolhe as regras!

3 – Se você está na casa de alguém, contente-se com o pior controle!

Se te deram um controle ruim, contente-se! Imagem meramente ilustrativa!

Você é visita. Está em território hostil. Aceite de bom grado o pior controle e vingue-se ganhando do dono da casa nas piores condições do mundo. Só reclame se conseguir provar que algum botão ou direcional não estiver funcionando.

4 – Uma tela ou uma vida!

Próximoooooo!

Quando muita gente está querendo jogar e são poucas as opções do jogo para multiplayer, vale a antiga regra de “uma tela ou uma vida” e suas variáveis que podem ser, “até o próximo checkpoint ou uma vida”, “3 a 0 acaba a partida automaticamente” e por aí vai. O importante é todo mundo se divertir.

5 – Não desconectarás! JAMAIS!

Se estiver perdendo no Street Fighter após levar um perfect no primeiro round, se estiver tomando uma goleada no FIFA ou naquele outro futebol que já nem sei o nome mais (mas que os jogadores de Preisteichon adoram), ou se já tiver morrido 12 vezes sem matar ninguém no CoD… jamais desconecte. Os jogos precisam de patos e saber perder é uma virtude!

6 – Se alguém estiver jogando, não entre na frente do televisor!

Nem o gatinho será perdoado se entrar na frente da TV!

Videogames dependem de imagem. Pessoas (e gatos) não são transparentes. Uma vida no videogame pode ir embora em um caralhésimo de segundo! Acho que você já entendeu.

7 – Se alguém está jogando com fones ou headsets, não tente qualquer tipo de comunicação!

Você interromperia alguém jogando Candy Crush com fones de ouvido?

É como usar um fone de ouvidos no metrô, se alguém está usando significa que não está afim de interações com outras pessoas… que não está disponível para papinhos à toa. Se você não estiver morrendo, tendo um filho ou o prédio pegando fogo ou caindo, não fale com quem está jogando de fone/headset.

8 – Nunca coloque a culpa da sua derrota no jogo!

Sua falta de habilidade não deve ser motivo para falar que o jogo é ladrão, ou que algo está errado. O outro jogador não é cheater… ele só é melhor que você. Treine e pare de reclamar.

9 – Multiplayer é sempre a melhor opção!

Todo bom jogo (e toda boa briga) começava com um Multitap!

Você está jogando sozinho, de repente um amigo aparece e… VOCÊS DEVEM JOGAR ALGO JUNTOS! É bem simples! Não tem essa de “Ah, estou testando esse novo emulador!” ou “Ah, tô afim de jogar esse jogo e só dá pra um!”. Pare tudo o que estiver fazendo, claro que você deve salvar o seu progresso, e dê um controle para o seu amigo. Faça-o sentir-se parte da sua empreitada… MULTIPLAYER É SEMPRE MELHOR QUE O SINGLE PLAYER! E, como a própria palavra diz, SINGLE é pra quando você está sozinho.

10 – Não abandone a sua vida social para jogar!

Cena impossível! Provavelmente essa mulher não gosta de videogames… e se ela lambesse o seu controle assim, você ficaria bravo!

Em raros casos os videogames trazem mulheres para a sua vida. RAROS! Em todos os outros eles só afastam. Então não deixe de sair com os amigos para a diversão real. Conheça pessoas reais, que tem vidas reais e gaste um pouco do seu dinheiro de verdade para ir a lugares legais na vida real. De que adianta salvar a princesa no último castelo do jogo se na vida real você não tem nenhuma gatinha pra falar no ouvido dela que você passaria o mundo 8-4 para tirá-la das mãos de quem fosse? Interaja com as pessoas!

Claro que todas as regras são mutáveis e você pode fazer delas o que bem entender (desde que seja no seu próprio c* se quiser enfiá-las lá), mas acho que seguindo essas regrinhas o jogo vai ficar bem melhor pra você e pros seus amigos.

assinatura p2


A paixão de jogar com a “brodagem”

Wii, Ps3 e X360, opções pra todos os gostos e perfis

Wii, Ps3 e X360, opções pra todos os gostos e perfis

Não me lembro de nenhuma época em que os vários perfis de jogadores tenham sido tão bem servidos. Jogadores com perfil solo tem muito mais a cara da Sony, do mesmo jeito que o pessoal que prefere a presença dos amigos (ou inimigos) tem muito a cara da Microsoft. Rolou até pra quem prefira games mais casuais e pró zoação com os amigos, ou até velhas ideias reapresentadas, como o público da Nintendo, muito embora todos os 3 consoles tenham um pouco de cada. Joguei dos 3 consoles na geração, tive o prazer de pegar um Wii emprestado e me satisfazer com os velhos clássicos Nintendo, além de experimentar girar o pirocóptero em games de zuação como Just Dance ou Raving Rabbids. Cheguei a ter de tabela um PS3 que era do meu irmão, e me fartei de alguns exclusivos como Heavy Rain, Heavenly Sword, God of War 3 ou Journey, mas nenhum deles me deixou tão empolgado nessa geração como o X360.

PS3, um prato cheio de exclusivos classe AAA

PS3, um prato cheio de exclusivos classe AAA

Me desculpem se esse depoimento soar “ista”, não é nesse sentido que quero tratar, deixa eu explicar.

O X360 foi voltado a explorar as funcionalidades online desde o princípio, a começar pelos chats que eram permitidos já do lançamento do console, e que foram melhorados quando deram o upgrade para os cross chats. Você pode até dizer que é frescura, que quando entra no jogo no PS3 o chat tá lá, ou mesmo que se fosse pra ficar batendo papo, ia pro MSN ou o que for. No caso do último exemplo, isso bate com o lance dos perfis de gamers, não é a sua cara jogar com a galera e pronto, mas nos exemplos anteriores, você tá defendendo coisas pequenas. O que foi que desenvolveu-se muito nesses últimos anos com a internet? O crescimento de comunidades online, a comunicação e socialização entre as pessoas. O que foi que um cross chat do X360 proporcionou quando lançado? Comunicação e socialização entre as pessoas, facilitando o desenvolvimento de comunidades gamers online.

Conversar enquanto joga ou fazendo qualquer coisa, só pela vontade de conversar.

Conversar enquanto joga ou fazendo qualquer coisa, só pela vontade de conversar.

Praticamente a totalidade das pessoas que jogo online são amigos meus, e são amigos que conheci através da própria internet de fóruns e outras comunidades. Se a coisa foi pegando afinidade através dos fóruns, o desenvolvimento da amizade veio com a convivência frequente na Live, seja jogando juntos, ou cada um no seu próprio jogo, mas papeando pelo cross chat. Debates sobre diversos assuntos, acompanhamentos de conferências nas E3, além da exploração simultânea de um mesmo jogo single player e comentado entre nós (Mega Man 9 fase a fase conversando e explorando com um brother eu não esqueço), é o que estou querendo dizer. Até na zoação coletiva a coisa era divertida, chat com 5 pessoas onde 3 estão revezando pelejas em Super Street Fighter IV, mas todos os 4 zoando um que perde de forma vexatória é o que mais alavanca a galera a se empenhar em melhorar, ou o que dita a piada por horas e dias.

É legal zoar quando dá essa tela né? E quando tem mais uma galera junto só pela zoação?

É legal zoar quando dá essa tela né? E quando tem mais uma galera junto só pela zoação?

Enfim, deixando de lado todas as facilidades que o X360 me proporcionou em relação a socialização e comunicação, vamos a parte principal: os jogos. Minhas melhores experiências online nessa geração foram com Gears of War (2 e 3), Left 4 Dead (disparado meu predileto multiplayer da geração) e atualmente Borderlands 2. A série Gears of War tá no meu top 5 (se eu tiver um) dos melhores que joguei nessa geração, ele é bom sozinho, mas é perfeito entre amigos. Left 4 Dead é de longe o mais legal pra multiplayer. É o jogo que melhor utilizou pra mim a função cooperativa, mesmo quando você joga em modo competitivo, ele é cooperativo. E Borderlands… bem, eu joguei o primeiro quando ainda tinha o PS3, mas somente single player, achei até esquisito porque as pessoas pagavam tanto pau pra um shooter que achei pouco menos do que razoável. Por causa das promoções de verão da Live, e por influência dos amigos que jogam no Xbox, resolvi pegar o 2, tava barato, não custava tanto arriscar… Tenho que dizer, a experiência cooperativa dele melhora e MUITO a diversão do jogo. Os DLC’s são pouco pra vontade de continuar jogando com a brodagem.

Cooperativo até jogando contra, as equipes revezam entre sobreviventes e zumbis no vs

Cooperativo até jogando contra, em Left 4 Dead as equipes revezam entre sobreviventes e zumbis no vs.

E é disso que tô falando, se você ainda é criança ou adolescente, você provavelmente tem todo o tempo do mundo (como eu tinha na época) pra jogar na casa dos amigos, ou chamá-los pra jogar na sua casa, mas se você trabalha o dia todo, e seus amigos consequentemente também, a maioria das vezes que você conseguirá encontrar com eles, será através das sessões de jogatina. Participar de longas sessões de Left 4 Dead, Borderlands, Castle Crashers, ou qualquer outro jogo com foco no multiplayer, pra mim é tão prazeroso e nostálgico quanto na época que juntávamos na casa de um dos amigos pra tirar longas pelejas de Street Fighter 2, ou na cooperatividade com Streets of Rage ou Final Fight.

Em tempos de trabalho, as facilidades online tentam te relembrar desse período aí (PS:Sei lá que foto é essa, peguei só pra exemplificar)

Em tempos de trabalho, as facilidades online tentam te relembrar desse período aí (PS:Sei lá que foto é essa, peguei só pra exemplificar)

Tenho certeza que vocês devem ter ótimas histórias e experiências online no PS3. Joguei bastante Modern Warfare 2 e Fifa 12 nele, no entanto, pouquíssimas vezes eu joguei com amigos (salvo o Player 2 em algumas sessões de Modern Warfare 2), mas ainda assim, precisávamos marcar pra jogar, e as conversas só aconteciam durante as sessões de jogo e apenas com quem tivesse no jogo, enquanto na live eu tenho a opção de estar jogando Borderlands 2 com ele e mais outro amigo, e ainda mais outros amigos jogando fable 3 e todos interagindo na mesma conversa e rindo das piadas de todos. E ainda assim, foram partidas cujas amizades eu já tinha, e não que foram desenvolvidas pelo convívio.

No PS4 essas diferenças vão sumir, e a Microsoft vai penar pra inventar qualquer diferencial e chamar mais a atenção que a Sony

No PS4 essas diferenças vão sumir, e a Microsoft vai penar pra inventar qualquer diferencial e chamar mais a atenção que a Sony

De novo, peço desculpas se o texto soou “ista”, mas tenho certeza que na próxima geração, vocês que tiverem esse tipo de experiência no PS4 (com a gente do PnMP, de preferência), podem até não admitir ou não curtir, mas vão entender do que eu estou falando.

assinatura pnmp


Crie seus robozinhos no multiplayer de Transformers: Fall of Cybertron

O estúdio High Moon liberou um trailer apresentando a nova possibilidade no seu próximo game, Transformers: Fall of Cybertron. O bacana da vez é que além dos tradicionais modos multiplayers de jogos de tiro em terceira (ou primeira) pessoa é que o game agora te libera criar seu próprio Autobot ou Decepticon.

Joguei pouco, mas me diverti bastante com o título anterior, War of Cybertron, espero um bom jogo nesse novo. Infelizmente jogos de tiro já estão cansativos e existem jogos de todos os gêneros, acho difícil conseguir uns amigos pra jogar esse game como fazia com Halo, Gears ou Left 4 Dead. Poucos são os que arriscam uma boa grana em um jogo que não é no mínimo fodão. Espero que esse consiga ser, é mais fácil convencê-los a jogar junto.

Transformers: Fall of Cybertron sai dia 21 de Agosto para PC PS3 e X360


Novo trailer de Mass Effect 3 foca no multiplayer

Será que isso pega? Um jogo caracterizadamente single player como Mass Effect tentar inserir um modo multiplayer? Tô pagando pra ver, assim como a “bacanice” de usar o Kinect em determinados momentos…


Pequeno notório

Todo ano a gente tá acostumado a ver jogos surgindo causando todos os tipos de impacto. Há sempre aqueles que vem com muito alarde, especulação, expectativa, investimento e tudo o mais. E geralmente são os que estamos esperando pra ver se o jogo é a pic@ das galáxias toda mesmo. Nesse meio tempo, tem também aqueles que vem comendo pela beirada, e se destacam pela qualidade e o boca a boca entre gamers. É o caso de Rayman Origins.

Sim, o jogo teve uma ótima apresentação e recepção de expectativas daqueles que viram as demonstrações do jogo desde a E3, mas não tem como comparar, até pelo tamanho do projeto, com a quantidade de títulos que causam alardes maiores nessa época do ano. Particularmente, Rayman é um personagem que não vejo graça, separe ele dos rabbids (que são perfeitos), e ele não tem nada demais. Mas não tem como não pagar pau pra um jogo como esse. Um platformer fluido, rico visualmente, com puzzles divertidos e o  melhor, tem multiplayer.

A Ubisoft acertou em cheio em deixar técnicas atuais de jogos com todos os recursos 3D possíveis de lado, pra desenvolver um game com jogabilidade retrô, deixando as “mudernidade” apenas para os gráficos. Talvez a única ressalva que penso que pode influenciar no jogo não ser bem sucedido ( no sentido de vender bem) é por não ter sido distribuido via download. Acho que a praticidade online,e talvez o preço um pouco mais baixo por conta dos padrões do formato via download talvez gerasse mais impacto com consumidores. Mas ainda assim, valeu muito a proposta da Ubisoft, que de tempos em tempos acerta umas pra compensar as várias que erra.


%d blogueiros gostam disto: