Arquivo da tag: xbox

O que tem ainda de bom para ps3 e x360?

A nova geração chegou aí pra mostrar a que veio e apresentou um monte de novidades bacanas. Ao menos as do X1 você pode conferir a opinião de quem jogou em primeira mão com meu estimado amigo do controle que pluga na saída da direita, mas e pra galera (como eu) que não tem dinheiro ou coragem de investir nos altos valores de lançamentos de geração? Ainda tem coisa nova pra gente jogar? É claro que tem, serão um pouco mais escassos, mas não estamos ainda de fora da jogada, vamo nessa conferir algumas coisas que ainda estão por vir:

Dark Souls 2

As cria do tinhoso estarão de volta pra te infernizar a vida

As cria do tinhoso estarão de volta pra te infernizar a vida

Eu não podia deixar de começar com um dos games da velha geração que aguardo com maior ansiedade. Dark Souls 2 pretende trazer o sofrimento e a agonia de morrer pra baralho de novo na sua vida (isso foi paradoxal), então não pense que se livrou dos momentos de desligar o console de raiva depois de morrer pela décima oitava vez naquele desfiladeiro escuro onde você não vê nada mais do que 2 pequenos brilhos um pouco mais adiante, que de repente se apresentam como caveiras gigantes com armas do seu tamanho, você certamente ainda terá muitos momentos de trancar o boga de aflição com eles.

O game já tá em beta para donos do PS3 que pretendem levar na pré venda,  e até agora só ouvi elogios sobre o game. Pra quem tem uma verba e é um pouco mais fã do que o normal, a edição de colecionador do game é um tesouro a parte, contando com o game, disco de trilha sonora, livro de artwork, um mapa impresso em tecido e uma estatueta fodona. Um must have.

Essa estatueta fica bem na estante de qualquer um, até na da Dilma.

Essa estatueta fica bem na estante de qualquer um, até na da Dilma.

Dark Souls 2 tá previsto pra 14 de março e sai pra PC, Ps3 e X360.

Yaiba: Ninja Gaiden Z

Se fosse um filme, Yaiba acabaria com o estoque de ketchup e extrato de tomate do mundo pra jorrar tanto sangue.

Se fosse um filme, Yaiba acabaria com o estoque de ketchup e extrato de tomate do mundo pra jorrar tanto sangue

Esse pode até não ser dos títulos mais badalados, mas se você curte um bom hack and slash, e a série Ninja Gaiden, é bom dar uma conferida. Dirigido pelo mestre Inafune (Mega Man, Mighty No. 9), o game pretende ser um pouco mais colorido, com cara de hq animada e button masher do que os 3 antecessores em 3d. Você tá na pele do ciborgue Yaiba, que mata uma baralhada de zumbis alucinados em busca de sua vingança, e pelo que deu a entender até agora, o inimigo de Yaiba é o Ryu, protagonista da série tradicional.

Yaiba: Ninja Gaiden Z tem previsão de lançamento pra março de 2014 também e sairá pra Ps3, PC e X360.

TitanFall

Titanfall

Pipocos e mechs, esse mundo não fica melhor do que isso.

Não, você não leu errado, nem eu errei de geração. O game que eu mais aguardava jogar nessa nova geração, além da versão pra X1 e PC, também terá uma edição pro X360. Não se sabe que diferenças ela terá pras suas irmãs mais bombadas, mas imagino que uma engine com menos coisas se mexendo ao mesmo tempo, menos coisas se despedaçando, e nada de inteligência artificial na nuvem auxiliando nas coisas que acontecem no jogo. Ainda assim, pretendo jogar. Os vídeos de ação frenética que vi me deixaram bem empolgado pra deixar passar mesmo sendo uma versão inferior.

O game da antiga equipe do estúdio Infinity Ward, de CoD: Modern Warfare, tá previsto no x360 pra sair no dia 11 de março.

Dragon Age: Inquisition

Mais combates contra criaturas gigantescas

Mais combates contra criaturas gigantescas

Dragon Age é uma série que começou com um perfeito rpg aos moldes de Star Wars: Knights of The Old Republic e Baldur’s Gate, mas acabou sendo totalmente hostilizado em sua continuação quando resolveram simplificar tudo (inclusive o protagonista que não poderia mais ser escolhido raça ou origem para ele). Ainda assim, e mesmo vendo os primeiros vídeos de apresentação de Inquisition, a série merece atenção. Não imagino que a Bioware vai ser idiota o bastante pra cometer o mesmo erro 2 vezes e se apegar mais ao segundo do que o primeiro jogo.

A inquisição começa no final de setembro e sairá pra tudo que é plataforma.

Castlevania: Lords of Shadow 2

Foram necessárias 2 décadas e meia pra você poder jogar com o Drácula!

Foram necessárias 2 décadas e meia pra você poder jogar com o Drácula!

Muitos fãs torceram o nariz, outros adoraram, mas fato é que Lords of Shadow foi o jogo mais vendido da série. Não é um número gigante, mas conta muito né. Agora no papel de Drácula (porra, 20 e lá vai anos pra sair um Castlevania que te permitisse jogar com o fodão), você passará pelo seu castelo em 2 momentos, no presente e no passado. A trilha sonora revezando entre o orquestrado e o eletrônico pretende ajudar na diferenciação dos momentos. As câmeras foram ajustadas também, então você coloca ela onde quiser, e o jogo inteiro será um grande mapa, fãs de Symphony of The Night talvez gostem um pouco mais do game agora. Alucard, o filho de Drácula apresentado em Mirror of Fate tá de volta, e com ele um novo Belmont também.

Castlevania: Lords of Shadow 2 sai pra PC Ps3 e X360 em fevereiro.

Super T.I.M.E. Force

Quando Contra encontra Prince of Persia: The Sands of Time

Quando Contra encontra Prince of Persia: The Sands of Time

Talvez você não tenha ouvido falar da Capy, ou Capybara Games, como é o nome completo, mas entre a galera que curte jogos indies pergunte se já ouviram falar de Sword & Sworcery EP, para PC ou iOS. A Capy tem esse estilão pixelado em seus games e mesclar novas e velhas ideias em linguagens de games já conhecidas, e Super T.I.M.E. Force aparenta ser mais um deles. Pense em uma equipe militar com tecnologia de controle no tempo e você terá um Contra + PoP: Sands of Time. Se você morre com um personagem, o jogo volta até determinado ponto e você escolhe outro membro da equipe pra passar o ponto onde o anterior morreu, e consequentemente colocá-lo de volta na equipe.

O game é exclusivo do X360 e a Capy garante que ele sai ainda esse ano, eu duvido, mas não me oponho.

The Walking Dead: The Game – 2ª Temporada

twd6Não é bem um jogo novo, e ao mesmo tempo é, né? Agora sem o Lee pra proteger a pequena Clementine, ela tem que se virar pra sobreviver no meio da crackolândia. A segunda temporada parece ser mais tensa do que a primeira já foi e dispensa comentários se você deve ou não olhar pra ela.

A segunda temporada de Walking Dead sai no finalzinho do ano, aguardemos.

Gran Turismo 6

Não é do jogo essa foto, mas o Senna estará lá

Não é do jogo essa foto, mas o Senna estará lá

Me questionei muito se colocava esse game na lista, digo isso não por achar ruim ou preconceito com jogo de carro, mas é que ele já sai semana que vem, então não é bem um título futuro como os demais, mas tá aí.

Na sexta edição da série, além das pistas e carros novos, haverá um conteúdo extra do ex-piloto mais popular do Brasil e um dos mais do mundo, Ayrton Senna. A molecada talvez não dê a mínima ou nem saiba do que se trata direito, mas na infância e pré adolescência da minha geração e anteriores, as manhãs de domingo tinham um gostinho especial em ver a Fórmula 1. Pra se ter uma ideia do carisma da pessoa, o piloto era bem quisto até por quem não gostava de corrida.

Dia 6 do 12 e exclusivo para Ps3 (tem múltiplos de 3 demais nesses números, é algum sinal?) é o lançamento de GT6

Ace Combat Infinity

Hora de pilotar de novo

Hora de pilotar de novo

A Namco volta com mais um game da série de simulador de voo, a novidade agora é que o jogo é grátis. Sim, isso que você leu, ele é grátis. Só imagine que talvez ele seja como os joguinhos de celular e facebook, que são grátis, mas pra você liberar as coisas bacanas você tem que jogar milhões de horas ou gastar dinheiro. Sinceramente gosto da ideia de jogo grátis, mas não me agrada o caminho que esse tipo de coisa tá tomando, daqui a pouco todo jogo será assim e você vai gastar rios em armas, roupas, etc etc etc pra tudo que é jogo.

Ace Combat Infinity é exclusivo pra PS3 e sai agora no fim do ano também.

Lightning Returns: Final Fantasy XIII

Lightning Returns: Final Fantasy XIII

A Raio tá de volta

Não curti muito Final Fantasy XIII e sua continuação, então nem preciso dizer que minha expectativa por esse game é 0, mas ainda assim, Final Fantasy é Final Fantasy né, há de se esperar e testar antes de falar. Com a Lightning voltando como protagonista, e mais novos personagens e detalhes, Lightning Returns: Final Fantasy XIII é a conclusão da saga dos personagens desse linha de FF. Espero que seja melhor que os 2 anteriores.

A Volta de Ana Raio: Fantasia Final XIII chega em fevereiro e estará disponível pra PS3 e X360.

Bom, essa é uma pequena lista, ainda tem vários outros títulos a sair, inclusive alguns multiplataforma apresentados pra nova geração (Metal Gear Solid 5 e Watch Dogs eu tô olhando pra vocês), além dos já tradicionais jogos anuais ao estilo Fifa e Call of Duty, que devem demorar um pouquinho até desistirem da velha geração.

Curtiu a lista? Tem mais sugestões? Deixe sua opinião, crítica, trauma, felicidade, nos nossos comentários. Valeu!

assinatura pnmp

Anúncios

Review: Dead Rising 3 (Xbox One)

Depois de escrever sobre o lançamento do console e sobre o console… é chegada a hora de falar sobre jogos! Tentarei fazer reviews de todos os jogos que jogar do Xbox One e nada melhor que começar com zumbis! 1 milhão deles!

Dead Rising 3 segue a linha de seus antecessores: matança desenfreada de zumbis com boas doses de humor. Em alguns momentos parece que você está dentro do filme Zumbilândia (não assistiu? corra… é o melhor filme de zumbis que eu já vi).

Certamente não dá pra falar que o Xbox 360 ou o PS3 não fariam gráficos como aqueles porém a quantidade de objetos se mexendo de formas diferentes é absurdamente maior do que qualquer jogo já visto. Chega a ser ridículo o tanto de zumbis que saem de todos os lugares possíveis.

Mais zumbis que em todos os episódios de The Walking Dead juntos!

O jogo se passa na cidade de Los Perigos e você está na pele de um sobrevivente chamado Nick. Sua missão? Sair da cidade sem ser morto pelos zumbis, junto com os seus amigos. Porém não vai ser tão fácil assim devido a quantidade assustadora de zumbis  e passar por todos eles é praticamente impossível sem uma estratégia.

O jogo adota as boas coisas do primeiro… ajudar outros sobreviventes, tempo para sair da cidade, roupas engraçadas e muitos zumbis e também adota boas coisas do segundo como a confecção de armas a partir de itens que você encontra no jogo, a possibilidade de dirigir carros pela cidade e também os encontros com sobreviventes que, por algum motivo, insistem em te matar para tirar proveito do que você está carregando, os psicopatas!

Não sei o que dizer sobre essa imagem! Busque por Yatta no YouTube e talvez você me agradeça por te mostrar algo divertido!

Talvez seja o melhor jogo de zumbi já lançado, talvez… mas não dá pra cravar ainda. E se você acredita que para um jogo ser bom é necessário que o fator replay seja alto, fique avisado que Dead Rising 3 tem mais de 10 finais diferentes e um modo multiplayer.

Controles: Respondem muito bem e são intuitivos. Gatilhos miram e atiram, botões frontais selecionam itens e usam golpes de melee (socos e chutes), os bumpers servem para correr e abrir o menu… está tudo bem fácil de mexer.

Kinect: Quando joguei sozinho e em silêncio, funcionou perfeitamente. Alguns comandos podem ser dados por voz para juntar os amigos, atrair zumbis, ou até mesmo para largar a arma que você tem na mão. Seria excelente se não desse problemas quando tem muita gente conversando na sala… o jogo pausou diversas vezes, largou armas diversas vezes e entrou no menu tantas outras. Até concordo que jogo de zumbi é pra jogar sozinho… mas…

Gráficos: Nada que um Xbox 360 e um PS3 não fariam. Mas volto a dizer que duvido que houvessem tantos zumbis nesse jogo se ele fosse lançado para essas outras plataformas.

Smartglass: Talvez a grande estrela do jogo quando falamos de novidade. O uso do Smartglass no Xbox 360 foi muito pequeno se comparado ao uso que anunciaram que ele teria. Em Dead Rising 3 ele funciona como um… celular! Seu celular funciona como um celular, engraçado né? Você pode conferir suas missões, um mapa da cidade e ainda receber ligações de um personagem misterioso durante o jogo. Detalhe: Você precisa encontrar o celular no jogo para que o Smartglass funcione e precisa habilitar o companion no seu próprio celular via Smartglass.

Celular do Smartglass! Feature indispensável para Dead Rising 3!

Diversão: O jogo é bizarramente divertido. Ver seu personagem juntando uma serra elétrica com uma marreta para montar uma arma é 100% insano e a coisa só melhora conforme você progride… mais bizarrices aparecem e melhores!

Segundo o jogo, isso é o que acontece se você juntar uma moto com um rolo compressor! Insanidade para matar zumbis!

 

Dito isso, fica faltando apenas uma nota… e a nota é:

A gente ainda não tem imagens de score produzidas pra gente… por isso resolvi usar o bom e velho número sete!

Uma nota muito boa para o início da geração e o jogo mostra o que está por vir para os novos consoles. Um mundo promissor se abre… vamos ver o que está por vir!

Ah… e eu não poderia esquecer… aqueles que gostarem muito do jogo e terminarem a campanha no modo Nightmare ganharão uma armadura de um robôzinho manjado dos games…

Megaman! Já que a franquia morreu, vamos usar o robôzinho para matar zumbis! Ao menos é de graça, né Capcom?

assinatura p2


Xbox One: Primeiras impressões!

Continuando  os posts sobre o Xbox One…

Agora que os ânimos acalmaram um pouco já que tem 3 dias que estou com meu Xbox em casa posso dizer: O console ainda me surpreende. Falarei em tópicos sobre o que eu achei de cada novidade (ou nem tanto) sobre o console.

Dashboard: 

A cara da riqueza! Conseguiu ficar mais foda que a anterior… tudo está mais perto, mais fácil e mais acessível! Os comandos de voz fazem com que as coisas fiquem ainda mais rápidas, mas se você gosta de ter tudo sob controle ela está bem acessível. Tem a cara do Windows 8!

Comandos de Voz:

Faz tudo o que queriam fazer no primeiro Kinect. Você só precisa configurar o áudio uma vez e tudo funciona perfeitamente… er… mais ou menos… hoje tive alguns problemas por ter bastante gente aqui em casa, Dead Rising 3 não parava de pausar e alguns comandos não foram entendidos pelo Kinect pois o barulho na sala era bem grande. Nos momentos em que jogo à noite, tudo foi muito bem. Impressionante mesmo é a velocidade que você pode dar os comandos e a velocidade de troca dos aplicativos. Se você falar “Xbox, vá para (nome do aplicativo)”, ele abre NA HORA e se ao abrir você quiser ir pra outro… ele obedece!

Esse vídeo não é meu, é em inglês, mas foi o melhor que achei pra mostrar os comandos de voz funcionando.

Controle:

Inacreditável a Microsoft ter acertado de novo! O controle parece com o do 360, mas é um pouco mais leve e um pouco menor. Os analógicos estão menores e é praticamente impossível você perdê-los ou eles escorregarem dos seus dedos… os gatilhos com recoil e vibração (sim… eles dão um tranco em jogos de tiro e vibram em alguns outros jogos) são fantásticos. Pra mim, é o controle definitivo. E ainda tem o headset que tem qualidade maior que os antecessores e um som totalmente livre de ruídos e chiados! Ah… o D-Pad vai bem, obrigado. Funciona perfeitamente!

Novo Kinect:

Além dos comandos de voz, o Kinect ainda serve pra jogar… lembram? E ao que tudo indica vai ser uma boa experiência ter o Kinect funcionando bem. Alguns jogos dessa primeira leva já fazem um bom uso do Kinect… em Dead Rising 3, quando você é agarrado por um zumbi, pode simplesmente mover o controle na direção da tela várias vezes e o personagem reage a isso dando uma cotovelada ou um soco no zumbi opressor! Em Forza 5, se você é daqueles jogadores que vira a cabeça quando faz uma curva, o jogo mexe levemente na câmera do carro e mostra melhor a curva onde você vai entrar… é simplesmente fantástico. Espero que o nível melhore ainda mais, mas já está perto do que eu esperava para o Kinect.

Smartglass:

Aqui a coisa brilha bonito… ao menos em Dead Rising 3, onde você recebe chamadas no seu celular através do Smartglass de um personagem do jogo para te passar algumas informações. Não testei no Forza 5 ainda!

Loja de Jogos, Vídeos e Música

Na Live Brasil os jogos full estão sendo vendidos a 199 reais. Na Live US a 59,99 dólares. Vale a pena comprar na Live US e, até agora, nada de travas para comprar. Jogos da Live Arcade estão sendo vendidos a 39 reais no Brasil e a 20 dólares na Live US, compensa pegar esses jogos na Live Brasil… ah… com uma conta americana você consegue comprar nas duas lojas… espero que isso dure por muito tempo. A garota propaganda atual da Loja de Música no Brasil é a Anita!

TV no Xbox, tem no Brasil?

Tem sim… só não tem como nos EUA, mas tem sim… eu assino Vivo TV e liguei a saída HDMI do meu set top box diretamente na entrada HDMI do Xbox One e… voilá! “Xbox, vá para TV!”. Uma pena não funcionar para a grade de programação e para mudar de canal, senão aposentava o controle remoto.

Ah… e por favor, compre uma TV Samsung junto com o teu Xbox One… vai ser mais barato que um PS4K!

 

No geral, o Xbox se mostrou um excelente investimento… já tomou seu espaço na estante e está sendo super utilizado aqui em casa, até pela minha esposa que está ganhando algumas conquistas vendo Netflix, youtube e afins… RECOMENDO!

 

assinatura p2


Bomba ou nostalgia? Novo trailer do jogo do Rambo

Rambo

Final dos anos 80 e início dos 90 a onda era os games do gênero beat ‘em ups (ou andar e bater, como eu chamo), depois veio a geração jogos de luta. O estilo dessas 2 últimas gerações de consoles tem sido os shooters. E temos visto shooters de todos os tipos, com todas as esquisitices, metidos a filmes de guerra como Call of Duty, ou ficção científica (ou space opera, não consigo me decidir) como Halo, e até ficção científica com toques de sarcasmo como Borderlands. Enfim, tivemos de tudo que é gênero explorado, de Wolfenstein, Doom, Quake ou Blood até Far Cry 3, passando pelo Blood Dragon. Aí no fim dessa geração aparece a Reef Entertainment com um “novo” jogo de tiro e a gente se pergunta o que será que ele tem a acrescentar. Não cara, eu não acho que todo jogo tem que ser único e super fodão como os citados acima, mas o propósito dele tem que ser cumprido, o de ser divertido.

Pra tentar isso, a Reef resolveu tentar a chance com uma franquia de filmes extremamente conhecida pela rapaziada de pelo menos uns 30 anos de idade e que, sinceramente, me pergunto porque ninguém tentou algo com ela antes. Rambo é uma série de filmes sem história muito elaborada, divertido pra quem foi criança nos 80 e início dos 90, violento até dizer chega, mas de uma época onde não tinha muita preocupação no grau de influência que isso teria nas crianças. Confesso que pela nostalgia do personagem, tenho curiosidade de jogar isso, mas o jogo tá feio, e o trailer não mostra muita coisa da jogabilidade, então as expectativas estão lá embaixo.

Foge Rambo que esse jogo tá com pinta de bomba!!

Foge Rambo que esse jogo tá com pinta de bomba!!

Jogos baseados em filme geralmente tem tudo pra dar errado porque precisam seguir enredo próximo ao do original, mas como o filme geralmente ainda está em produção, muitas vezes nem os caras do estúdio tem muitos detalhes de como será pra fazer algo amarrado, isso desconsiderando o prazo que quase sempre é apertado para os eles. Mas esse não é o caso de Rambo, o jogo é baseado na antiga trilogia, não tem PN a ver com um possível filme novo, nem conteúdo do mais recente Rambo IV tem, então era de se esperar um esmero de quem tá dedicado a fazer algo pelo prazer de explorar aquele universo, vide The Warriors, da Rockstar.

Aliás, The Warriors é o exemplo perfeito, o jogo não é bonitão, mas a jogabilidade é ótima e a proposta é total do universo de gangues nos quais os personagens estão. No filme você acompanha uma gangue de Coney Island, bairro da cidade de Nova York, que foi a uma grande reunião das maiores gangues da cidade. Por lá deu uma grande merda, foram culpados pelo assassinato do chefe da gangue mais forte e influente da cidade, e precisaram voltar pro bairro deles do outro lado da cidade, tendo que enfrentar tudo que é gangue que encontrassem pelo caminho. No game, isso tudo que acontece no filme representa cerca de 30 a 40% no máximo do jogo, pois ele expande o universo do filme apresentando todos os membros, como a gangue se formou, desenvolvendo a personalidade deles e tudo mais. Você aprofunda a experiência do filme.

Meu ponto é: Rambo tentará fazer algo do tipo expandindo a experiência e o universo do filme? Será feliz nesse caminho? Não sei, afinal só temos poucos trailers e não dá pra julgar sem ter jogado ainda, mas que esse trailer não me passou muita confiança, não passou.

Ah é, curte aí e tire suas conclusões:

O game sai ano que vem pra PS3, X360 e PC.

PS: O jogo talvez não preste, mas eu queria na minha mesa do trabalho uma dessas miniaturas da pré venda.

Aceito doações desses bonequinhos aí

Aceito doações desses bonequinhos aí

assinatura pnmp


Uma tirinha sobre o novo “Mega Man”

Vi essa em um fórum que participo e achei fantástica, resolvi fazer a tradução e trazer pra cá.

Way to go Inafune e Mighty No. 9!

Mighty No. 9 tirinha

Tá aqui o perfil do autor da tirinha original.

Já foi no Kickstarter dar o seu apoio? Não? Tá esperando o que, po$%@? Não sabe do que se trata? Olha o post anterior!

assinatura pnmp


Mestre Inafune está precisando de apoio no Kickstarter pra criação do sucessor espiritual de Mega Man

banner noticias

Inafune

Desde que saiu da Capcom, o mestre Keiji Inafune (só o mísero criador de Mega Man e produtor de jogos como Dead Rising e Onimusha entre outros clássicos), tem estado ocupado na produção intensa de novos jogos.  Já saiu dele, para o Vita, Soul Sacrifice, J.J. Rockets, para android, Bugs vs Tanks, jogo da e-shop para 3DS e ainda estão a caminho Yaiba: Ninja Gaiden Z e Kaio: King of Pirates, mas a onda da vez do mestre é o sucessor espiritual de Mega Man.

Mighty No. 9 é o nome do game e tenho que dizer, a belezinha está realmente com cara de Mega Man. Segundo a descrição, o jogo é um side scroll pegando os melhores elementos das gerações 8 e 16 bits. Na tradução livre descrita no kickstarter: você joga como Beck, o nono em uma linha de poderosos robôs, e o único não infectado por um misterioso vírus de computador que deixou as criaturas mecânicas do mundo loucas. Corra, pule, atire e transforme seu caminho por seis fases (ou mais, via objetivos alcançados) que você passa na ordem que quiser, usando armas e habilidades roubadas de seus inimigos para derrubar seus companheiros robôs Mighty Numbers e confronta o mal definitivo que ameaça o planeta!

Escolher fases na ordem que quiser, usar armas e habilidades roubadas dos seus inimigos… isso te lembra algum outro jogo? Sem dúvida será um Mega Man com as novidades que nós fãs gostaríamos que a Capcom é quem tivesse apresentando com o seu mascote oficial.

mighty n9

Olha essa foto e diz que não é o Mega Man com a beleza visual que você esperava na geração atual?

Way to go, mestre Inafune, eu já fiz a minha contribuição e espero que você também faça, porque o jogo está previsto inicialmente para a Steam, e será portado conforme alcance maior apoio no kickstarter, para os consoles. Caso você tenha apoiado e esses objetivos sejam alcançados, você terá a opção de escolher qual plataforma quer jogar. Pela velocidade que estão subindo os fundos de apoio, não vai demorar a atingir as metas pedidas não.

Cópia de si mesmo pode ser considerado plágio? Se é o Inafune e Mega Man, quem se importa?

Cópia de si mesmo pode ser considerado plágio? Se é o Inafune e Mega Man, quem se importa?

Vai lá no Kickstarter dar o seu apoio, o mestre Inafune, sem falar no mercado dos games, merece!

Atualizando: Em menos de 48 horas o projeto já ultrapassou a meta pretendida pra produção do jogo, vamos esperar e ver em quantos dias ele ultrapassa os 2 milhões e meio necessários para garantir a produção das versões para os consoles. O apoio tá tão grande que até outros estúdios estão entrando na onda, o estúdio Renegade Kid ofereceu apoio para levar Mighty No. 9 para o 3DS.

twitter mighty no 9

assinatura pnmp


Gamescom: Mais algumas histórias

gamescon

Mais notícias vão aparecendo, e por aqui vamos comentando:

1. Trailers, trailers e mais trailers

A Blizzard enfim apresentou novidades para Diablo 3,  e não estou falando da versão dos consoles, mas da primeira expansão da versão de PC. Intitulada Reaper of Souls,  a expansão vai ter foco em Malthael, o Arcanjo da Sabedoria, desaparecido desde a expansão de Diablo 2 e recém surgido como anjo da morte em D3. Além do enredo, RoS trará também como novidade a classe de personagem do cruzador, que tem o foco em equipamentos pesados e magias de suporte. Nos dados técnicos, você poderá elevar seu char até o nível 70, além de acrescentar mais skills e magias para as classes já existentes do jogo, fora outras alterações nos mapas, missões e modos de jogo.

Muita gente reclamou de D3, particularmente eu me diverti muito e joguei feliz até terminar a história. Não sou o tipo de player que fica rejogando por mais milhares de vezes subindo mais o nível e zerando 3, 4 vezes, etc etc etc, pra poder opinar do pós jogo da primeira rodada, mas a mim o jogo diverte como o primeiro e o segundo divertiram.

Um novo (ou não) trailer de Lords of Shadow 2 foi apresentado pela Konami, o vídeo inteiro é praticamente o que já foi visto na E3, com a diferença de um pequeno detalhe: Ao final do trailer tem uma cena extra na qual apresenta um novo Belmont, Victor. Pra quem não conhece, Victor Belmont seria um dos protagonistas de Castlevania Resurrection, jogo que estava sendo produzido pela Konami americana e foi cancelado para Dreamcast por chilique ordem do Iga, que foi  escolhido o responsável oficial pela série no meio da produção na época. O enredo envolvia viagens no tempo, ou ao menos 2 linhas do tempo diferente, e teria além de Victor, Sonia Belmont, a protagonista de Castlevania Legends para Gameboy Color, e “ex-mãe” de Trevor Belmont, de Castlevania 3. Castlevania Legends foi limado da timeline oficial também por chilique ordem do Iga.

Sonia e Victor Belmont, no cancelado Castlevania Resurrection, para Dreamcast

Sonia e Victor Belmont, no cancelado Castlevania Resurrection, para Dreamcast

O que esperar disso? Não sei. No original, a história de Victor se passava em 1666, pelo pouco que mostrou, eu não ousaria dizer se o enredo dele se passa no presente ou no passado. O pior da história é que a Konami adiou Lords of Shadow 2 de 1 de dezembro agora para 27 de fevereiro de 2014. E tome ansiedade para o fanboy de Castlevania aqui…

Eu cheguei a postar a foto e citar ele entre os futuros títulos do Ps4 ontem. Não houveram muitos comentários a respeito do jogo, mas a ambientação me lembrou muito Ico e Shadow of The Colossus, se seguir por essa linha, seria um dos meus must have imediatos no lançamento sem exagero algum. A Tequila Works, produtora do game, é responsável pelo injustiçado Deadlight, um game muito bom que não caiu nas graças de crítica ou público.

A série Arkham foi uma das melhores coisas que joguei nessa geração disparado. Não espero menos de Arkham Origins, muito embora esteja receoso de não ter mais o dedo da Rocksteady Studios na brincadeira. Provavelmente o enredo deve ter uma boa dose de Batman: Ano um como referência, e é uma excelente influência.

Pelo visto a Ubisoft quer entrar na onda dos jogos de peleja, só que o game será para Kinect, ou pelo menos aparenta ser por esse teaser. Fighters Within, apresentado para o XOne promete muito sangue virtual. Para os extremistas do naipe “a culpa é dos jogos violentos” repare na pequena caixa laranja escrito “check the classification”, traduzido para o bom português como CHEQUE A CLASSIFICAÇÃO, antes de vir falar qualquer merda quando aparecer o próximo escândalo de violência no qual o suspeito tenha também o hábito de jogar. Mas antes disso, cheque primeiro a criação e o convívio com família e amigos dessa pessoa. Pronto, acabou o momento sapo, só achei apropriado pela quantidade de sangue no vídeo e por ser da Ubisoft, detentora de Assassin’s Creed.

2. Mais um pouquinho sobre a nova fase do Vita

Só pra mostrar que a Sony não estava só dando uma leve maqueada quando aparentava estar largando o Vita de mão mas dizia que não, esses são os futuros jogos de estúdios independentes que sairão para ele

  • Age of Zombies (BlitWorks/Halfbrick)
  • A-Men 2 (Bloober Team)
  • Assault Android Cactus (Witch Beam)
  • Avoid Droid (Infinite State Games)
  • Broken Sword: the Serpent’s Curse (Revolution Software)
  • Eufloria HD (Omni Systems)
  • Fez (Polytron Corporation)
  • Final Horizon (Eiconic Games)
  • Flame Over (Laughing Jackal)
  • Gravity Crash Ultra (Just Add Water)
  • Gunslugs (Abstraction Games)
  • Hotline Miami 2: Wrong Number (Dennaton Games & Devolver Digital)
  • Joe Danger 1 (Hello Games)
  • Joe Danger 2 (Hello Games)
  • Kick & Fennick (Green Hill Studios)
  • Rogue Legacy (Cellar Door Games)
  • Samurai Gunn (Teknopants)
  • Supermagical (Tama Games)
  • Switch Galaxy Ultra (Atomicom)
  • Table Top Racing (Ripstone)
  • The Binding of Isaac: Rebirth (Nicalis)
  • Volume (Mike Bithell)
  • Wasteland Kings (Vlambeer)

Alguns deles já são conhecidos pela Steam (Rogue Legacy) ou pela Live (FEZ), mas uma boa parte aí será novidade, e no portátil eu espero que dê muito certo, o Vita é uma ótima plataforma pra isso se o público aderir.

Espero ter mais alguns resumos a fazer amanhã, mas se não tiver, ainda tô devendo um pequeno review de Dragon’s Crown, que estou jogando dedicado desde o lançamento 2 semanas atrás, e outros comentários mais do mercado.

Inté!

 

EDIT: Hoje a Konami divulgou algumas imagens mais de Victor Belmont, e juntando isso, mais uma análise com um pouco mais de calma das poucas cenas que ele aparece no trailer, pelas roupas, parece que Victor será um Belmont contemporâneo. Tudo bem que tem uns pedaços de armadura e tal, mas ele tá usando um colete que e camiseta que parecem roupas da era atual. Vejam por vocês mesmos.

Victor Belmont é primo do Desmond, de Assassin's Creed?

Victor Belmont é primo do Desmond, de Assassin’s Creed?

As botas de metal podem até ser clássicas, mas esse colete com a camiseta me parecem bem modernos

As botas de metal podem até ser clássicas, mas esse colete com a camiseta me parecem bem modernos

assinatura pnmp


%d blogueiros gostam disto: